TOLEDOL, o blog sobre RAC

Reportagem com Auxílio do Computador (RAC) e jornalismo investigativo

O poder supremo do Twitter. Será?

ESTE POST FOI ATUALIZADO E CORRIGIDO (a versão original, para quem quiser conferir, está depois da “quebra” da página)

A repórter Vera Magalhães (@veramagalhaes), da Folha de S.Paulo, fazia a cobertura ao vivo, pelo Twitter, do julgamento do ex-ministro Antonio Palocci no Supremo Tribunal Federal. Notebook nas mãos e muitas notícias na cabeça, disparava posts em tempo real sobre as observações dos ministros e a linha de defesa dos advogados, alinhavando o juridiquês das fontes com a descrição das cenas que via no plenário.

A cobertura ia muito bem, mais de 100 notas publicadas, referendadas e retuitadas ao ponto de o alcance dos posts ser 15 vezes maior do que o número de seguidores da jornalista. É que seus seguidores retransmitiam os posts que mais gostavam para seus próprios seguidores, e assim indefinidamente, multiplicando o raio de influência da autora original -numa proporção muito além do que Vera poderia imaginar. Em breve ela teria uma noção mais acurada do alcance real de suas notas.

A certo ponto da cobertura, a jornalista postou: “Acaba de sentar um mala do meu lado. Agora tenho de digitar com o laptop no colo”. E tocou o barco da cobertura. Três horas e vinte e dois minutos depois, Vera interrompeu a sequência de notas sobre o julgamento para publicar, com charme, uma nota que poderia ser chamada de meta-cobertura: “Saia-justa na cobertura online. Desculpa aí @LCSchama RT @LCSchama@veramagalhaes Desculpe te atrapalhar. Ass.: o mala ao lado.”

Tradução: o advogado Caio Leonardo Bessa Rodrigues, supostamente sentado ao lado de Vera, havia tomado conhecimento da nota sobre si e respondera, elegantemente, pelo mesmo canal, o Twitter: “@veramagalhaes Desculpe te atrapalhar. Ass.: o mala ao lado.”

Tudo muito bonito, não fosse um trote. Na verdade, @LCSchama não estava no STF. Apenas passou-se pelo “mala ao lado”. Vera explica porque acreditou que @LCSchama era ele: “Eu só vi o pedido de desculpas pelo http://www.search.twitter.com horas depois. O mala real já tinha ido. Tudo combinava!!!”

A confusão jurídico-cibernética não terminou aí. Este que vos escreve publicou um post neste blog contando o episódio. Replicada pelo próprio Twitter, a nota virou epidemia: em menos de duas horas houve dezenas e dezenas de retuitadas e o número de acessos a este post foi multiplicado por 10. Todos acreditamos que tínhamos vivenciado uma história edificante sobre o poder viral do Twitter blablablá.

Até que, horas depois, veio a revelação da farsa, em uma mensagem do @LCSchama dirigida a @veramagalhaes: “Não estive no STF, só segui seus tweets (…). Incorporar o mala foi irresistível, mas irreal”.

“Gente, me sinto personagem de uma trama hitchcockiana. Alguém tem de avisar o @zerotoledo para fazer o epílogo com a confissão do @LCSchama”, escreveu Vera no Twitter às 22h39. Eis aqui o epílogo: não checou, dançou. Foi o meu caso.

(VERSÃO ORIGINAL)

A repórter Vera Magalhães (@veramagalhaes), da Folha de S.Paulo, fazia a cobertura ao vivo, pelo Twitter, do julgamento do ex-ministro Antonio Palocci no Supremo Tribunal Federal. Notebook nas mãos e muitas notícias na cabeça, disparava posts em tempo real sobre as observações dos ministros e a linha de defesa dos advogados, alinhavando o juridiquês das fontes com a descrição das cenas que via no plenário.

A cobertura ia muito bem, mais de 100 notas publicadas, referendadas e retuitadas ao ponto de o alcance dos posts ser 15 vezes maior do que o número de seguidores da jornalista. É que seus seguidores retransmitiam os posts que mais gostavam para seus próprios seguidores, e assim indefinidamente, multiplicando o raio de influência da autora original -numa proporção muito além do que Vera poderia imaginar. Em breve ela teria uma noção mais acurada do alcance real de suas notas.

A certo ponto da cobertura, a jornalista postou: “Acaba de sentar um mala do meu lado. Agora tenho de digitar com o laptop no colo”. E tocou o barco da cobertura. Três horas e vinte e dois minutos depois, Vera interrompeu a sequência de notas sobre o julgamento para publicar, com charme, uma nota que poderia ser chamada de meta-cobertura: “Saia-justa na cobertura online. Desculpa aí @LCSchama RT @LCSchama: @veramagalhaes Desculpe te atrapalhar. Ass.: o mala ao lado.”

Tradução: o advogado Caio Leonardo Bessa Rodrigues, sentado ao lado de Vera, havia tomado conhecimento da nota sobre si e respondera, elegantemente, pelo mesmo canal, o Twitter: “@veramagalhaes Desculpe te atrapalhar. Ass.: o mala ao lado.”

A confusão jurídico-cibernética terminou bem. O advogado postou uma segunda nota, qualificando a jornalista de “a Dorothy Parker do Supremo”. E esta, em tom de sábia advertência, concluiu, sempre pelo microblog: “Regra de etiqueta no Twitter: não xinge ninguém, porque a pessoa pode estar bem do seu lado. Vivendo e aprendendo…”

Para medir o alcance de suas palavras no Twitter, use o http://www.twitteranalyzer.com/. Digite o seu nome de tela e clique em “analyze”. Depois que os dados carregarem na tela, clique no botão “reach” e observe qual número aparece ao lado de “Unique Readers Reach”. Essa é a quantidade de pessoas que leram algum dos seus posts naquele dia.

Anúncios

Written by Jose Roberto de Toledo

27/08/2009 às 19:36

42 Respostas

Subscribe to comments with RSS.

  1. Muito bom!… Impresionante… a Internet é Herói ou vilão do ponto de vista da União…rsrsrsrs…

    Gostei muito desse post!!!… Parabéns!!!

    Luciano Nassyn

    lucianonassyn

    02/09/2009 at 14:56

  2. Muito boa!!!Que situação…mas sinceramente, não vejo graça neste Twitter.

    Beijos

    Marta Veiga

    01/09/2009 at 17:11

  3. […] um comentário » O exemplo é cabotino, mas relevante. O post “O poder supremo do Twitter. Será?”, deste blog, foi um micro fenômeno de propagação viral. Desidratado a uma chamada no Twitter, […]

  4. esta é a minha visão sobre o twitter, uma bolha que, cedo ou tarde, se esvairá… leiam e reproduzam livremente http://delaorden9.com/2009/08/31/o-twitter-quer-matar-meu-blog/

    delaorden

    31/08/2009 at 23:15

  5. p.s.: mas a pergunta que não quer calar é: Quem era o cara do lado então?

    showbusinessaffairs

    31/08/2009 at 18:19

    • Ninguém sabe

      zerotoledo

      31/08/2009 at 18:24

  6. Muito boa essa, hoje tb postei sobre o efeito do twitter…

    showbusinessaffairs

    31/08/2009 at 14:32

  7. […] Blog Toledol Comente aqui! Ler matéria […]

  8. Estória incrível. Que leio durante um exercício na web 3.0 da @sandracrucianelli. Dose macica de twiter.Vocês fazem um trabalho bonito para ajudar a nós rinocerontes da comunicacao.

    @marcosromao

    29/08/2009 at 11:06

    • Valeu, Romão. Muitos dantenbanken pra você. A
      Sandra é ótima, você já deve ter percebido. E o mérito, se há algum, é do Rosental, que descobriu um jeito de manter-nos, os instrutores, alimentados.

      zerotoledo

      29/08/2009 at 13:53

  9. nao entendi porra nenhuma..
    na verdade nao entendi nem oq eh twitter ate agora.. 😦

    jayminho

    29/08/2009 at 9:38

    • Só entrando para entender de fato.

      zerotoledo

      29/08/2009 at 13:53

  10. […] O poder supremo do Twitter. Será? « TOLEDOL, o blog sobre RAC toledol.com.br/2009/08/27/o-poder-supremo-do-twitter – view page – cached #TOLEDOL, o blog sobre RAC RSS Feed TOLEDOL, o blog sobre RAC » O poder supremo do Twitter. Será? Feed de comentários TOLEDOL, o blog sobre RAC 4º Congresso da Abraji – 1 Comparado a que? Eis a questão — From the page […]

  11. isso se chama comunicação minha gente, adorei esse episódio um tanto quanto engraçado que ocorreu em um ocasião tão séria rs

    chizzblog

    28/08/2009 at 19:40

  12. Inacreditável, irreal e absurdamente possível nos dias de hoje. Amei.

    mirian lucenas

    28/08/2009 at 13:23

  13. […] O poder supremo do Twitter – Uma história interessantíssima sobre como o Twitter entra em nossas vidas e sobre como é bom checar as informações, mesmo que tenha partido da pessoa – supostamente – a nosso lado […]

  14. Parodiando Lawrennce Peter, diria: “HÁ SEMPRE DOIS LADOS DE UMA MESMA QUESTÃO, ATÉ VOCE ASSUMIR UM DELES” Cada dia, esse nosso mundo fica menorzinho!

    Orlando de Araujo Nespoli

    28/08/2009 at 0:17

  15. Não imagina, isso nunca

    Mas como será o encontro dos dois depois dessa confusão??

    Isso seria legal, como isso vai acontecer

    Afinal Brasilia não é São Paulo, fatalmente trabalhando no mesmo ambiente, eles vão se encontrar

    Como será esse encontro ???

    Isso rende a parte III da Trilogia

    Afinal adoro histórias com reencontros e grandes finais …

    Pra terminar bem eles se encontram, tornam-se amigos e saem pra almoçar e dar risada dessa história

    Patrícia Silva

    27/08/2009 at 23:49

  16. A resposta de LCSchama fica como sendo a Parte II

    Eu adoro trilogia, por isso ainda fica com a primeira versão

    Fico no aguardo do terceiro capitulo ou a próxima sequencia, afinal como um bom enredo sempre tem uma trilogia completa

    E somente na terceira parte é que todos os mistérios se resolvem..

    Patrícia Silva

    27/08/2009 at 23:29

    • Putz, só me faltava um erramos do erramos.

      zerotoledo

      27/08/2009 at 23:38

  17. Ótima história.
    Vou recomendar aos meus conhecidos! 🙂

    William Florença

    27/08/2009 at 23:06

  18. Olá acabei de postar lá veja se está bom
    abraço e sucesso!

    http://twitter.com/rofanoaglargon

    rofanoaglargon

    27/08/2009 at 22:51

  19. é, pela primeira vez na história humana estamos experienciando o real sentido do ‘somos todos um’, unidos por palavras, noticias e sentimentos. e, por sermos todos um, temos que tomar cuidado redobrado para não ofender, pq – no fundo – estamos ofendendo unicamente a nós mesmos.

    adorei a matéria, parabéns.

    thahy

    27/08/2009 at 22:42

  20. Uam delícia de história.
    abraços

    silviamasc

    27/08/2009 at 22:42

    • Mesmo com o novo final, não deixou de ser uma ótima história…
      abraços

      silviamasc

      28/08/2009 at 0:05

  21. Uma pena que tudo não passou de uma pegadinha da parte dele pois o mesmo não estava lá e admitiu aqui:

    @veramagalhaes Não estive no STF, só segui seus tweets com sabor de Dorothy Parker. Incorporar o mala foi irresistível, mas irreal. #pardon

    Fonte: http://twitter.com/LCSchama/status/3591702279

    Matteus

    27/08/2009 at 22:08

    • É fato. Atualizei o post.

      zerotoledo

      27/08/2009 at 22:47

  22. Excelente artigo! Além do conteúdo interessante e o caso também, seu estilo consegue prender a atenção do leitor, mesmo na web. Parabéns! Um abraço.

    @atilaVELO

    27/08/2009 at 21:53

    • Obrigado. Volte sempre (que às vezes a história muda).

      zerotoledo

      27/08/2009 at 22:01

  23. Fantástico!

    Eu acabei (faz cinco dias) de finalmente começar a fazer parte deste mundo do Twitter e estou “abestalhado” em ver como funciona, aliás, graças ao Twitter eu acompanhei este post em “tempo real”.

    Leandro

    27/08/2009 at 21:36

    • É revolucionário mesmo. Veja só o tamanho da confusão.

      zerotoledo

      27/08/2009 at 22:02

  24. Toledo,
    Adorei o post. Sou jornalista, mas uso o twitter para escrever apenas pensamentos.
    Como é fantástica e poderosa essa ‘arma’ que está ao alcance de milhares de pessoas.
    Parabéns pelo modo que você tratou o caso. Vou repassar aos meus amigos.
    Bjs e bom trabalho.

    Daniela Lanes

    27/08/2009 at 21:28

    • Obrigado. Repasse aos inimigos também.

      zerotoledo

      27/08/2009 at 21:55

  25. […] This post was Twitted by irio […]

    Twitted by irio

    27/08/2009 at 21:21

  26. Matéria bem interessante adorrei
    XD
    poderia postar em meu blog com os devidos créditos?
    desde já agradeço pela sua atenção

    rofanoaglargon

    27/08/2009 at 21:05

    • Com crédito e, mais importante, link e versão atualizados.

      zerotoledo

      27/08/2009 at 21:55

  27. Adorei o post
    Muito interessante e de suma importância para todos que estão entrando nessa maravilhosa profissão
    Ou para qualquer um que queira fazer cobertura por Twitter

    Patrícia Silva

    27/08/2009 at 20:26

    • Fico feliz que vc tenha gostado, Mona. Obrigado pela indicação.
      É, eu adoraria ter ido, mas faltou tempo.

      zerotoledo

      27/08/2009 at 20:27

    • Obrigado, Patrícia. Se ajudei alguém, terá sido pelo anti-exemplo.

      zerotoledo

      27/08/2009 at 22:03

  28. Toledo,
    Q fantástica essa história!
    Belo case. Acabo de voltar do Digital Age e perdi o caso, mas gostei muito do q vc escreveu.
    Vou repassar.
    Vc teria gostado do Digital!
    bjs Mona

    mona dorf

    27/08/2009 at 20:08


Os comentários estão desativados.

%d blogueiros gostam disto: