TOLEDOL, o blog sobre RAC

Reportagem com Auxílio do Computador (RAC) e jornalismo investigativo

Posts Tagged ‘rac

PAUTA: São Paulo perde migrantes e Salvador ganha

A Grande São Paulo perdeu seu poder de atração de imigrantes de outros estados do país. Há menos moradores não-paulistas vivendo na Grande São Paulo hoje do que no início da década. Entre 2001 e o ano passado, a redução foi de 9,4%. Mesmo assim, 3 em cada 10 habitantes dos 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo nasceram em outros estados.

A tendência de regressão da migração é nacional, mas mais forte nas metrópoles. Em todo o país, cerca de 16% dos brasileiros não moram na mesma cidade em que nasceram, um decréscimo de 2,3% em comparação a sete anos antes. Outras regiões metropolitanas experimentaram refluxos ainda mais dramáticos de migrantes, como Belém e Recife.

Ao mesmo tempo, as grandes Salvador, Fortaleza e Porto Alegre assistiram a um crescimento significativo dos migrantes de outros estados 15%, 11% e 8%, respectivamente.

Uma boa história a ser contada é identificar quem está deixando de migrar (ou está voltando para seus estados natais), por quais motivos, se está fazendo isso sozinho ou com a família, se são empregados ou desempregados, se os programas de transferência de renda têm papel nesse fenômeno. É possível responder a essas questões entrevistando especialistas e, principalmente, os dados da PNAD 2008.

O melhor lugar para pesquisar é no SIDRA, do IBGE, principalmente nas tabelas 355, 1840, 1850, 1854 e 2857. Pela tabela dá para saber quantos mineiros moram no Amapá, ou quantos gaúchos vivem no Ceará (e ver quais contingentes estão aumentando e quais estão diminuindo).

View this document on Scribd

Written by Jose Roberto de Toledo

18/09/2009 at 22:45

Saiba como escarafunchar os dados da PNAD 2008

Como você sabe, saíram os dados da PNAD 2008. Quem estiver com pressa ou preguiça, pode ficar apenas no release do IBGE, que é sempre amplo. Quem quiser ir mais fundo e escavar suas próprias pautas, pode, depois de ler o release, ir à página da PNAD no site SIDRA, também do IBGE. Lá, além dos dados de 2008, é possível consultar a série histórica desde 2001 para alguns indicadores e aplicar filtros.

A PNAD é, depois do Censo, a pesquisa mais importante feita pelo IBGE. Embora não chegue ao nível municipal, é o mais amplo e diversificado panorama socioeconômico do Brasil. Para os jornalistas, é uma mina de reportagens à procura de bons garimpeiros. Mas achar ouro requer tempo e energia. Por isso, é importante entrevistar os dados, exportando as tabulações do site para uma planilha eletrônica tipo Excel. E lá, usar o beabá da estatística descritiva para extrair manchetes.

Por exemplo, jornalistas de veículos regionais podem calcular as taxas de desemprego (o mais correto é chamar de taxa de desocupação, mas o leitor não merece) para seus estados e regiões metropolitanas. Vai dar um pouco de trabalho, mas é um ótimo exercício de RAC.

Começa-se montando uma tabela da População Economicamente Ativa (PEA) por UF aqui (tabela 1864) . Selecione, pela ordem: 1) Pessoas de 10 anos ou mais de idade, 2) Economicamente Ativa, 3) 2001 a 2008 (usando a tecla shift para selecionar mais de um ano), que devem ficar nas colunas, 4) Unidade da Federação: Tudo (devem ficar nas linhas). Deixe o resto como está e peça para visualizar o resultado, ou gere um arquivo em formato .CSV para abrir direto no Excel.

O passo seguinte é montar uma tabela igual, mas apenas com a população ocupada, aqui (tabela 1868). Selecione, pela ordem: 1) Pessoas de 10 anos ou mais de idade que procuraram trabalho na semana de referência, 2) Condição de ocupação: Desocupadas, 3) 2001 a 2008 (usando a tecla shift para selecionar mais de um ano), que devem ficar nas colunas, 4) Unidade da Federação: Tudo (devem ficar nas linhas). Deixe o resto como está e peça para visualizar o resultado, ou gere um arquivo em formato .CSV para abrir direto no Excel.

No Excel, coloque ambas as tabelas em uma mesma aba de um mesmo arquivo e renomeie-a como “original”, para saber que esses são os dados como você os copiou e antes de manipulá-los. Crie uma cópia dessa aba, e batize-a de “trabalho”. É nela que você vai fazer os cálculos.

Para nossa matéria, vamos comparar os dados de três anos: 2002, 2007 e 2008. Por que? 2002 foi o último ano do governo FHC, 2007 é o ano de referência mais próximo e 2008 reflete a situação pré-crise financeira. O primeiro passo é ocultar as colunas dos demais anos na planilha “trabalho” (clique com o botão da direita do mouse sobre o nome da coluna [A, C…] e marque “ocultar”).

Insira duas colunas em branco, uma entre 2002 e 2007 e outra entre 2007 e 2008. No cabeçalho dessas colunas em branco escreva “taxa 2002”, “taxa 2007” e “taxa 2008”, respectivamente. Na célula imediatamente abaixo, correspondente à linha “Brasil”, você vai escrever a fórmula de cálculo da taxa de desocupação:

=Cx/Cy, onde “Cx” corresponde à célula onde está o número de brasileiros desocupados que procuraram emprego em 2002 e “Cy” corresponde à célula onde está o número da PEA do Brasil em 2002.

Aperte “enter” no teclado e transforme a célula em porcentagem (clique com o botão da direita e escolha Formatar Célula). O resultado tem que dar 9,2%. Copie e cole a fórmula nas células abaixo para descobrir as taxas das UFs. Repita a operação com as colunas de 2007 e 2008.

Se analisar os resultados corretamente, descobrirá que as taxas de desemprego podem ser mais de três vezes maiores em certos Estados do que em outros, que enquanto em algumas UFs o desemprego caiu 41% de 2007 para 2008, em outras a taxa aumentou 39%, que Lula vai bater bumbo dizendo que reduziu em mais de 20% a taxa de desemprego que recebeu de FHC (cuidado aí, porque os efeitos da crise só aparecerão na PNAD 2009, se houver).

Abaixo, as tabelas elaboradas ao longo deste exercício; se quiser os resultados, vá à pág. 9:

View this document on Scribd

Isso é só um exemplo das centenas de matérias que podem ser feitas escarafunchando os dados da PNAD 2008. Pegue seus equipamentos e comece a cavoucar.

Written by Jose Roberto de Toledo

18/09/2009 at 16:07

Inscreva-se para novo curso online de RAC

O Knight Center for Journalism in the Americas abriu inscrições para mais um curso online de introdução à Reportagem com Auxílio do Computador (RAC). São quatro semanas de ensino à distância, cobrindo quatro grandes tópicos: busca avançada na internet, uso de bases de dados online e offline, planilha eletrônica (Excel) aplicada ao jornalismo e um roteiro para criar o seu próprio banco de dados usando softwares gratuitos. Duas coisas importantes: o curso é grátis e é em português (não tem outro no idioma lusitano).

O curso de RAC à distância tem três grandes vantagens sobre cursos presenciais curtos: 1) você pode fazer o curso na hora que bem entender, inclusive de madrugada (as aulas são em vídeo, powerpoint e texto), 2) você pode praticar o que aprendeu imediatamente fazendo exercícios com correção automática, 3) através dos fóruns online, você tira dúvidas com os instrutores e faz contatos com jornalistas de todo o Brasil (as resposta às perguntas costumam vir em minutos, no máximo em horas).

Picture 37

O Knight Center está encerrando um curso de RAC por estes dias. Participaram intensamente jornalistas profissionais dos Pampas à Amazônia, além de brasileiros radicados nos EUA, Alemanha e Bolívia. Um dos subprodutos do curso foi este banco de dados, elaborado por uma das participantes, com links explicativos sobre dezenas de sites úteis para apurar informações para reportagens.

O Knight Center está baseado na Universidade do Texas, em Austin. É comandado por um veterano jornalista brasileiro, Rosental Calmon Alves (no Twitter, @rosental). O instrutor do curso serei eu, com auxílio da jornalista Vanessa Higgins.

Para se inscrever, preencha este formulário online e torça para ser selecionado para uma das 70 vagas. Para saber mais sobre o Knight Center e sobre o curso, visite a página deles na internet.

Written by Jose Roberto de Toledo

29/08/2009 at 7:16

Para armazenar páginas da web

Às vezes você quer guardar uma página da web para colocar num PowerPoint ou para consultar depois, offline. Ou você tem um blog e quer fazer um arquivo de todo o seu conteúdo, mas mantendo a cara do site. Os usos e situações podem variar, mas é bom saber que há uma maneira fácil e eficiente de transformar uma página de web em PDF: http://html-pdf-converter.com/. A dica é do Alon Feuerweker, que usou a ferramenta para PDFar todo o seu BlogdoAlon.

Written by Jose Roberto de Toledo

14/08/2009 at 21:13

Publicado em Jornalismo Investigativo

Tagged with ,

Dez perguntas sobre RAC para Lise Olsen, diretora do IRE (EUA)

“O Brasil é um dos países líderes em jornalismo investigativo no mundo”. A frase seria cabotina se dita por um brasileiro. Mas quem a formulou tem experiência e conhecimento sobre o assunto -o que só aumenta a importância da declaração.

LISE OLSEN_IRE_H CHRONICLE

Integrante do conselho diretor do Investigative Reporters and Editors (IRE), a Abraji dos EUA (eia pretensão), Lise Olsen é repórter investigativa do Houston Chronicle, um dos maiores jornais dos EUA. Lise teve um papel fundamental na disseminação das técnicas de Reportagem com Auxílio do Computador (RAC) na América Latina. Esteve à frente do IRE do México entre 1996 e 1998 e deu cursos de RAC em mais de uma dezena de países, inclusive o Brasil, ainda na segunda metade dos anos 90.

Por causa de seu pioneirismo no RAC brasileiro nasceu a ideia de iniciar por Lise esta que, espero, seja a primeira de uma série de entrevistas com jornalistas que são paradigmas do uso do computador como uma ferramenta de apuração e/ou organização e análise de informações.

1 – Como você começou a trabalhar com RAC e por que?

Lise Olsen – Eu logo fiquei excitada com o poder do uso de documentos para expor segredos e corrupção. Em 1994, eu comecei a aprender RAC depois de perceber que o computador nos permitiria analisar milhares ou mesmo milhões de dados muito mais rapidamente do que resgatando um fichário de cada vez de um arquivo físico. Mas, é claro, eu ainda faça as duas coisas (RAC e pesquisa a arquivos de papel).

2 – Desde que você começou, quais foram as principais mudanças ocorridas nas técnicas de RAC?

Lise – A principal mudança foi a explosão da internet. São tantas bases de dados disponíveis na web hoje me dia que  eu fico surpresa que ainda haja algum repórter que não tenha se dado conta de que é necessário saber técnicas de RAC. Também se tornou muito comum para repórteres que fazem investigações usar planilhas eletrônicas. Nos velhos tempos, apenas os repórteres de economia e negócios sabiam lidar com elas. E hoje todo mundo está “blogando”, e montando bases de dados interativas e mapas, tornando nossas investigações mais interativas e acessíveis para o público do que jamais foram.

3 – Como você se mantém atualizada sobre as novas tendências de RAC?

Lise – Eu frequento as conferências organizadas pelos grupos mais avançados como o IRE, o Knight Center for Journalism in the Americas e, quando tenho sorte, da Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo) e do IPyS (Instituto Prensa y Sociedad, do Peru) na América do Sul. E frequentemente peço conselhos a amigos que se especializaram em diferentes aspectos do RAC, como pesquisa de notícias, mapeamento, estatística e programação.

Leia o resto deste post »

Written by Jose Roberto de Toledo

14/08/2009 at 4:45

Minoritários, homens não largam o osso nas redações

As mulheres formam uma maioria cada vez mais ampla nas redações brasileiras, mas não estão podendo tanto assim. Elas ainda ganham, em média, 19,5% menos do que seus colegas do sexo masculino. Embora a diferença salarial já tenha sido maior, a dificuldade de acesso aos postos mais altos na hierarquia se manteve constante nos últimos anos e é a principal responsável por essa discrepância.

Picture 33

As repórteres, redatoras e editoras são uma maioria crescente em praticamente todas as faixas salariais, menos na mais alta. A partir de 20 salários mínimos mensais, a proporção é de 58 homens para 42 mulheres. No total dos jornalistas com emprego formal, as mulheres são 54%.

O Clube do Bolinha no topo da pirâmide jornalística tem se mantido dominante desde 2003, a despeito dos enxugamentos e demissões. Os dados extraídos da RAIS (Relação Anual de Informações Sociais, do Ministério do Trabalho) mostram que as posições mais bem pagas estão cada vez mais raras nas redações. Havia quase 3 mil cargos com salários acima de 20 s.m. em 2003. No ano passado essas posições não chegavam a 2,1 mil.

O mercado formal para jornalistas incorporou 12 mil novos postos de trabalho nos últimos seis anos, chegando a cerca de 38 mil colocações. Mas esse crescimento ocorreu apenas na base da pirâmide. O andar de baixo, onde 14 mil jornalistas brasileiros ganham menos do que três salários mínimos, já representa 37% do total da categoria (era 27% há seis anos). Desses, 60% são mulheres.

Se a base se expandiu, a ponta encolheu. A explicação é conhecida: o processo de transformação dos chefes em Pessoas Jurídicas, para driblar a catarata de impostos e encargos, o que os subtrai da base de dados da RAIS.

Written by Jose Roberto de Toledo

10/08/2009 at 10:38

Publicado em Reportagem com Auxílio do Computador

Tagged with ,

Mulheres na frente

Segundo a RAIS 2008, as mulheres são maioria entre os jornalistas formalmente empregados no Brasil: 54,4%. Em números absolutos, são 3,3 mil a mais do que homens. E são maioria em todos os locais de trabalho onde há jornalistas contratados (ou estatutários): empresas privadas, estatais e nas três esferas de governo.

A RAIS é a Relação Anual de Informações Sociais que as empresas e órgãos públicos e privados são obrigados a enviar ao Ministério do Trabalho no começo de cada ano, com informações sobre todos os seus funcionários com registros ativos em 31 de dezembro do ano anterior.

A RAIS é, portanto, uma medida de estoque. Complementarmente, existe o Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), uma medida de fluxo: as empresas são obrigadas a enviar um relatório mensal ao MTb com todas as suas demissões e contratações.

Embora não englobem o mercado de trabalho informal, essas bases de dados são excelentes fontes de pautas. Você pode se candidatar a receber a íntegra da RAIS e do Caged junto ao serviço de divulgação de informações estatísticas do MTb.

Written by Jose Roberto de Toledo

07/08/2009 at 19:25

Publicado em Jornalismo Investigativo

Tagged with